Crianças brasileiras vivendo fora do Brasil: vamos manter seu bilinguismo?

Samanta saiu do Brasil em busca de novas oportunidades nos Estados Unidos. Falando inglês intermediário, pretendia desenvolver sua fluência e conseguir construir uma vida no país. Embora tenha deixado seus pais e demais familiares no Brasil, o plano de voltar foi sendo adiado, e Samanta se viu ultrapassando seu visto e ficando indocumentada no país.

Mesmo assim não se preocupou muito: adaptou-se às mil maravilhas ao novo país, casou-se com um brasileiro, constitui família e recebeu seus pais para visitá-la, conhecer o marido e os netinhos nos EUA. Trabalhou muito, mas conseguiu ser reconhecida e ter uma boa colocação no país. Seus dois filhos estudaram em escolas locais e falavam inglês como os colegas. Em casa o português foi ficando cada vez mais limitado aos pais, e as crianças pouco contato tiveram com esta língua depois que foram para a escola.

Um dia Samanta foi supreendida pela notícia de que seu pai estava muito doente. Sua mãe, exausta e deprimida, pediu ajuda da filha mais velha. Decisão difícil, mas a família voltou ao Brasil. Desta vez para ficar, pois tendo ultrapassado o tempo permitido para o visto de turista, seria difícil poder retornar… Esteve junto ao pai nos seus últimos anos, e continuou apoiando a mãe nesta fase difícil.

Seus filhos estão bem agora, mas na chegada ao país sofreram muito: aos 6 e 8 anos, a adaptação á escola, com uma língua pouco familiar e muito desafiadora, uma cultura diferente e a situação familiar delicada… Samanta é uma guerreira e todos superaram estes desafios, mas ela diz que se arrepende de não ter mantido a língua da família presente na vida dos filhos, o que teria auxiliado em sua adaptação ao novo país e na formação de uma identidade cultural mais aberta.

brasileiros_no_exterior

Para quem está vivendo uma situação semelhante, ou pensa em morar fora com filhos, vale a pena refletir no caso – muito comum – de Samanta. Há muitas formas de garantir o contato com a língua materna dos pais e demais familiares, e muitos bons motivos para fazê-lo. Por isso compartilho hoje o link “Brasileiros no Mundo“, do Itamaraty, que mantém uma lista de escolas que contribuiem para preservar a língua dos brasileirinhos imigrantes pelo mundo. Vale a visita!

 

Share:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

Get The Latest Updates

Subscribe To Our Weekly Newsletter

No spam, notifications only about new products, updates.

Most Popular

Social Media

On Key

Related Posts

Adeus 2020, bem vindo 2021!

Uau, que ano tivemos! Não conheço nenhum educador que não tenha sentido que viveu mais desafios no ano que terminou do que em muitos anos