Alunos chineses em escola no centro de SP

Originalmente disponível em: http://www.jt.com.br/editorias/2009/12/10/ger-1.94.4.20091210.17.1.xml

Chineses são 26% em escola do centroColégio com tradição em educar imigrantes tem programa especial para acolher alunos da China

Marcela Spinosa, marcela.spinosa@grupoestado.com.br

O Colégio São Bento, no centro de São Paulo, retomou uma atividade praticada no início do século passado: educar imigrantes. Já passaram por lá alemães, russos, japoneses, italianos e, agora, chegou a vez dos chineses.

Dos 400 alunos da unidade atualmente, 105 (26%) nasceram na República Popular da China ou são filhos de chineses. Como muitos têm dificuldade em falar português, eles podem usar material didático em mandarim e aulas de reforço. Os primeiros 15 alunos dessa safra se formam este mês no ensino fundamental.

O trabalho dos monges beneditinos agradou tanto o governo chinês que o consulado entregou ontem ao colégio uma placa em homenagem ao trabalho. Na cerimônia, a dona de casa Huang Yu Hua, de 46 anos, acompanhava a reação das filhas Hei, de 11 anos, e Heida, de 9, ao cantarem o hino nacional brasileiro. “É a melhor escola para a comunidade porque, além dos nossos costumes, aprendemos sobre o Brasil”, disse Huang, que há 10 anos, deixou uma cidade vizinha à Hong Kong com o marido e veio para o Brasil.

Diferenças culturais

As meninas, que já estudaram em outras escolas no País, contaram que tiveram dificuldade para se adaptar. “O mais difícil era o português, mas já temos amigos brasileiros”, contou Hei. Para ela, o melhor do São Bento é aprender as matérias da grade curricular brasileira. “Na China é diferente.”

Entre as diferenças do ensino brasileiro e o chinês está, segundo dom João Evangelista Kovas, prior do mosteiro, a distância dos pais em relação às atividades realizadas pelos filhos nas escolas. “Lá (China) os filhos ficam na escola e os pais não sabem o que acontece. Aqui não. Tivemos de fazer um trabalho para trazer os pais para o colégio, para eles participarem das reuniões e acompanharem os filhos”.Segundo ele, além do ensino, há outra razão para os chineses procurarem o São Bento: “Muitos pais chegam aqui sem seguir uma religião, mas querem que os filhos sigam porque consideram isso importante.”

A volta dos imigrantes ao São Bento começou em 2004, com a chegada de três chineses que não falavam nada em português. “A primeira coisa que fizemos foi tirar o dicionário deles”, conta dom João. Os jovens frequentavam as salas com outros brasileiros. “Os chineses receberam um guia com vocabulário e frases para se comunicarem em português.”

Em seguida, o São Bento começou a trabalhar a metodologia pedagógica para inseri-los na cultura brasileira. O enunciado e o título das atividades eram escritos em português e em mandarim. A chegada, em 2007, do padre Lucas Xiao, da Missão Católica Chinesa no Brasil, aumentou o número de chineses na escola, porque ele chamava a comunidade para se integrar aos brasileiros.

Para atender a demanda, o São Bento montou uma secretaria especial para a comunidade. Nela, há, além de cursos de música e tradição chinesa ministrados por 19 professores chineses, uma biblioteca com 500 títulos em mandarim e curso do idioma. Dos 90 alunos, dois são brasileiros. “Os pais querem que os filhos aprendam a língua porque acham que este é o idioma do futuro”, disse o padre.

Em 2010, os chineses que chegarem ao São Bento farão um ano de curso de português antes de irem para a sala de aula. Ano que vem, será aberto ao público o curso de mandarim. “É fundamental porque o Brasil é muito distante da China e essa aproximação promove um intercâmbio cultural que será importante para o futuro”, afirmou Sun Rongmao, cônsul-geral da China em São Paulo.

Em 106 anos de história, vários alunos ilustres

Conhecido por ter educado nomes importantes do cenário brasileiro, o Colégio São Bento foi fundado pelo abade dom Miguel Kruse em 1903. Em fevereiro daquele ano, iniciou-se o primeiro ano letivo da unidade, que tinha 163 alunos matriculados. Nessa época, também ocorreu a chegada de diversos imigrantes ao Brasil (vindos de vários países da Europa). Alguns foram acolhidos pelos monges beneditinos para serem educados e integrados à comunidade brasileira.
Mas, para estudar lá, era necessário, além de arcar com os custos da mensalidade, passar por um exame de admissão, considerado um dos mais exigentes do país. A prova era tão rigorosa que foi apelidada pela imprensa da época como “o matadouro de São Bento”. Seus professores figuravam entre os mais competentes e conhecidos da cidade. Entre eles, está o historiador Affonso d’Escragnolle Taunay e o ex-governador de São Paulo André Franco Montoro.

Quinta-feira, 10 dezembro de 2009

Ao longo dos 106 anos de funcionamento, passaram pelas salas de aula do São Bento outras personalidades, como o ex-prefeito da cidade Francisco Prestes Maia, o poeta e tradutor Haroldo de Campos, o escritor modernista Oswald de Andrade, o historiador Sérgio Buarque de Holanda (pai do cantor, escritor e compositor Chico Buarque), o ator Raul Cortez e o médico Antonio Prudente Meireles de Morais, que era neto do ex-governador de São Paulo e ex-presidente Prudente José de Morais e Barros, o primeiro civil a assumir o cargo.

Share:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

On Key

Related Posts

Adeus 2020, bem vindo 2021!

Uau, que ano tivemos! Não conheço nenhum educador que não tenha sentido que viveu mais desafios no ano que terminou do que em muitos anos