O processo de aquisição da Escrita

Para aprender a ler e escrever é preciso compreender como a língua escrita é usada na sociedade, ao mesmo tempo em que se compreende o código escrito, ou seja, como as letras se organizam em palavras, frases e textos. Mas como? A partir de letras e sílabas, de fonemas, de palavras, frases ou textos? Essas são algumas das questões que vimos discutindo no curso de Alfabetização e Letramento de crianças bilíngues, no Sinpro-SP.

“A tradição pedagógica, qualquer que seja seu enfoque ou discurso, reduziu sempre a alfabetização ao mero aprendizado do sistema alfabético. Já na década de trinta, há mais de meio século portanto, Vygotsky questionava este empobrecimento ao dizer que “ensina-se as crianças a desenhar letras e a construir palavras com elas, mas não se ensina a linguagem escrita”. Quatro décadas se passaram antes que a psicogênese da língua escrita nos permitisse desvendar o processo pelo qual as crianças chegam a dominar o funcionamento do sistema alfabético. Só então foi possível perceber que, centrados no detalhe, deixávamos de ensinar o fundamental: a língua que se esconde por trás das letras, aquela que se escreve.” (Telma Weisz em Por trás das letras)

“Se o objetivo é que o aluno aprenda a base alfabética e algumas convenções ortográficas, então as palavras soltas e as frases sem nexo podem continuar sendo usadas. Mas se o que se quer é que ele chegue a redigir textos, interpretar textos, aprender com os textos e até se divertir com eles, então é preciso redefinir o conteúdo da alfabetização.” (Telma Weisz em Por trás das letras)

Hoje sabemos que apenas o domínio do código escrito é insuficiente para que os alunos compreendam o que lêem, sejam capazes de escrever com propriedade e, mais ainda, participar da cultura escrita. Mas como contemplas as diversas dimensões envolvidas na escrita?
Baixe o powerpoint usado na aula aqui: Processo de Alfabetização – A Escrita.
Para saber mais:
•JOLIBERT, Josette. Formando crianças leitoras. Porto Alegre, Artes Médicas,
•JOLIBERT, Josette. Formando crianças produtoras de texto. Porto Alegre, Artes Médicas
•FERREIRO, Emília (2005). Com todas as letras. São Paulo, Cortez, 13ª ed.
•FERREIRO, Emília (2007). Alfabetização em processo. São Paulo, Cortez, 18ª ed.
•TEBEROSKY, Ana e TOLCHINKY, Liliana (org) (2006). Além da alfabetização: a aprendizagem fonológica, ortográfica, textual e matemática. São Paulo, Ática
•TEBEROSKY, Ana. (2001). Psicopedagogia da linguagem escrita. Petrópolis, Vozes, 9ª ed.

Share:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

On Key

Related Posts

Adeus 2020, bem vindo 2021!

Uau, que ano tivemos! Não conheço nenhum educador que não tenha sentido que viveu mais desafios no ano que terminou do que em muitos anos