A diversidade cultural como riqueza humana: os Ashaninka na estação das chuvas

As condições de vida, as histórias individuais e coletivas, a geografia, as oportunidades de trabalho, o acesso à educação, tudo marca a cultura e a construção de significados que os povos dão às suas vidas. Modos de falar, de se relacionar com o ambiente e com os outros, de se comportar, de organizar-se em sociedade, tudo isso forma a cultura.

Há culturas melhores que outras? Há povos ou pessoas mais cultas ou menos cultas? As ciências nos prova que não. Cada povo encontrou soluções diferentes para sua vida, e todas elas são igualmente válidas.

Se olharmos a partir de nosso próprio umbigo, a tendência é demarcar as fronteiras das culturas, atribuindo a cada um um lugar estático, arrumadinho e fixo na sociedade. Mas ninguém, nem pessoas nem povos, se comporta sempre da mesma forma. Ninguém fica parado no tempo. Todas as sociedades humanas mudam, se recriam e se transformam em função das condições.

Vemos um exemplo dessas transformações e construções culturais em função das condições materiais neste vídeo. Três línguas presentes, costumes tradicionais com tecnologias modernas, trabalho colaborativo e integração em redes, preservação e transformação…

Como bem diz a Profa. Dra. Tereza Maher, da UNICAMP:

“O multiculturalismo que caracteriza a nova ordem mundial, a crescente heterogeneidade das sociedades devido à intensificação das migrações e das interações interétnicas e interculturais não nos permitem mais fechar os olhos para o fato de que as culturas não são monolíticas e estáticas e que, por isso, não há como trabalharmos com noções de identidades culturais mumificadas. Vai daí que, em nossos esforços para compreender as manifestações e os efeitos de diferenças culturais em sala de aula é preciso ter claro, em primeiro lugar, que alunos e professores não são autômatos, não agem, necessariamente ou o tempo todo, de acordo com as convenções interacionais de sua cultura – as culturas propõe esquemas de significação, elas não são camisas de força. Além disso, a cultura não é só pensada, mas também vivida, as significações são continuamente avaliadas e transformadas pela ação humana.”

(MAHER, Terezinha Machado. Do casulo ao movimento: a suspensão das certezas na educação bilíngue e intercultural. In: CAVALCANTI, M.C. e BORTONI-RICARDO, S.M. Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas, Mercado das Letras, 2007)

Sobre o filme: Alunos de um workshop no Rio Amônia River no estado brasileiro do Acre fazem uma crônica em vídeo de sua comunidade. Na estação das chuvas os Ashaninka não podem plantar, e o rio inundado restringe o acesso a certas regiões. Caça e pesca são mais difíceis de conseguir, mas ainda há bastante trabalho. Vê-se pessoas fazendo canoas, tecendo cestos e fiando algodão para tecidos. A palmeira Munumuru é coletada para alimento e para fazer sabão, que pode ser vendido. Os Ashaninka permitem que suas atividades sejam ditadas pela mudança das estações, aceitando a chuva com bom humor.

O filme é de Isaac Pinhanta, Valdete Pinhanta, Tsirotsi Ashaninka, Llullu Manchineri, Maru Kaxinawá, Nelson Kulina, Fernando Katuquina and André Kanamari, e foi distribuído por Documentary Educational Resources. (Tradução das informações do vídeo “The rainy season” no Youtube.

Share:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

Get The Latest Updates

Subscribe To Our Weekly Newsletter

No spam, notifications only about new products, updates.

Most Popular

Social Media

On Key

Related Posts