“O escândalo do livro que não existia”, de Luís Nassif

“Durante dias e dias o país inteiro discutiu uma miragem, um não-fato, algo que não existia. E na discussão se leu de tudo, analistas com julgamentos definitivos sobre a questão, acadêmicos soltando sentenças condenatórias, jornalistas atirando flechas na miragem. E tudo em cima de uma nuvem, uma sombra, um ectoplasma que nunca existiu.

Poucas vezes na história contemporânea se viu manifestação tão atrasada do que seja opinião pública latino-americana. Parecia mais um daqueles contos do realismo fantástico de um Garcia Marques, uma parábola familiar de Julio Cortazar.

Refiro-me a esse episódio sobre o suposto livro que ensinaria as crianças a ler a escrever errado.”

Trecho do post de Nassif em 25/05/11. Para continuar lendo no local original, clique aqui: http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-escandalo-do-livro-que-nao-existia

Pois é, a leitura da mídia foi equivocada, e concordo que inventaram um texto que não existia, porque não leram, não entenderam e criticaram. O problema é que o preconceito linguístico existe mesmo. E causa muitos danos à auto-estima de crianças, jovens e adultos que foram doutrinados para pensar que não falam português, quando são falantes nativos dessa língua, ou que sua língua e, por extensão, eles mesmos, é pior que a dos outros.

Selma

Share:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

Get The Latest Updates

Subscribe To Our Weekly Newsletter

No spam, notifications only about new products, updates.

Most Popular

Social Media

On Key

Related Posts