A diversidade cultural brasileira expressa no Carnaval

Você não fica cansado de ter sua imagem de brasileiro associada a carnaval, futebol e praia? Se você gosta de carnaval, ótimo, deve estar se divertindo, mas será que todo brasileiro gosta? E de que Carnaval estamos falando? Será que não há muitas formas de se celebrar o Carnaval?

As comemorações populares tradicionais são cada vez mais vistas como fonte de renda. As brincadeiras populares, os blocos de rua, os folguedos perderam espaço nas grandes cidades e deram lugar ao carnaval institucionalizado e até globalizado, vendido no mundo todo como fonte de renda para canais de televisão, revistas de massa e turismo. Ganha-se e perde-se nesse movimento. O comércio é beneficiado, postos de emprego são criados e a economia se movimenta. Mas a riqueza e a diversidade de nossas culturas são apagadas e apenas as formas mais rentáveis têm destaque.

É uma pena que a maioria das pessoas nem pare para pensar na diversidade cultural que marca as muuuitas formas de comemorar o carnaval no Brasil (e, diga-se de passagem, as formas mais divertidas são também as mais simples e espontâneas). Então, para ajudar-nos a lembrar ou conhecer algumas destas formas, escrevo este post.

Em Parintins, no Amazonas, uma grande festa marca o Carnaval, com a competição de dois grupos: Caprichoso e Garantido. Mantendo a tradição do Boi-Bumbá, reportando-se às raízes indígenas, africanas e européias que compõe o mosaico cultural brasileiro, instrumentos de percussão, dança, música e teatro se integram para fazer uma festa que tem atraído milhares de pessoas.

 

 

 

 

 

 

 

O carnaval de Recife (à esquerda) e Olinda (à direita) reúne diversas manifestações culturais na rua, como Frevo e Maracatu, com muita música, dança e brincadeira. Os bonecões são característicos destas festas.

Os blocos de rua estão entre as comemorações mais comuns e democráticas do carnaval. Cada cidade tem seus inúmeros blocos, com suas características, roupas, passos de dança e ritmos, que reúnem famílias, vizinhos e amigos.

O carnaval nas comunidades em centros urbanos também reúne famílias, amigos e vizinhos em uma forma de socialização e comemoração que pode, às vezes, entrar nas escolas de samba convencionais.

Nem todo mundo quer comemorar o carnaval. Muitas pessoas preferem simplesmente viajar, descansar ou fazer retiros espirituais no feriado.

Essas são apenas algumas formas, dentre muitas outras, que o carnaval assume para as muitas pessoas no Brasil. Porque ser brasileiro não significa compartilhar todos os aspectos culturais, mas sim conviver na diversidade, respeitando as formas de vida e de expressão uns dos outros. A partir do carnaval podemos pensar como a cultura se desdobra em culturas, e como não há uniformidade dentro de nenhuma cultura. A diversidade é uma riqueza que devemos preservar, respeitar e valorizar.

Selma Moura

Share:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

Get The Latest Updates

Subscribe To Our Weekly Newsletter

No spam, notifications only about new products, updates.

Most Popular

Social Media

On Key

Related Posts