Alunos surdos precisam de escolas bilíngues


Originalmente disponível em http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=22758&op=all

Estudo demonstra que alunos surdos se desenvolvem melhor em escolas especiais

2007-07-19

As crianças surdas que frequentam a escola normal estão em desvantagem relativamente às que estudam em escolas especiais, conclui um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) hoje divulgado.

O estudo abrangeu dois grupos de crianças surdas, com idades compreendidas entre os seis e os 12 anos, um integrado no ensino normal e o segundo com frequência no ensino bilingue (que aprende a língua gestual a par da língua portuguesa escrita).A coordenadora do estudo, a psicóloga e investigadora da FMUP Ivone Duarte, referiu que “os resultados demonstraram que as crianças surdas que frequentam as escolas normais apresentam piores resultados ao nível da comunicação, integração social e capacidade associativa e cognitiva, quando comparadas com as integradas no ensino bilingue”.

A investigadora concluiu que a falta de uma língua impede estas crianças de compreenderem o que as rodeia, de comunicarem eficazmente e de socializar, o que compromete o seu desenvolvimento e as pode deixar frustradas e ansiosas. Em contrapartida, as crianças inseridas em escolas bilingues, e que dominam a língua gestual, vivem mais calmas e mais seguras, estão mais aptas a explorar o meio e a estabelecer relações com os outros e, por isso, desenvolvem-se mais eficientemente.

O estudo conclui que “os resultados positivos obtidos pelas crianças com acesso ao ensino bilingue são ainda mais evidentes nas que iniciaram a aprendizagem da língua gestual com três anos ou menos, o que sublinha a necessidade de que a aprendizagem desta língua ocorra o mais prematuramente possível”.

“Isso exige a implementação do rastreio de surdez neonatal em todos os hospitais e maternidades, o que permitirá identificar e encaminhar devidamente os bebés com deficiência auditiva”, defendeu a investigadora. O sistema educativo português integra as crianças surdas nas escolas convencionais, apesar destas não responderem às necessidades comunicativas dos alunos surdos.

Ivone Duarte propõe que se criem escolas próprias, que integrem surdos e ouvintes, mas que possuam ensino bilingue. “As crianças surdas não têm qualquer necessidade de currículos alternativos ou adaptados, bastando-lhes o acesso a uma língua que lhes permita apreender o mundo e desenvolverem-se plenamente”, afirmou.

No âmbito das investigações levadas a cabo pela FMUP relativamente à problemática da surdez, o Serviço de Bioética da Faculdade organiza amanhã o “V Simpósio sobre Reabilitação da Criança Surda”. No encontro, que tem início às 15:00 horas, na Aula Magna da FMUP, participam Rui Nunes, Ivone Duarte e Luísa Simões, entre outros especialistas.

Um comentário

  1. É Educação Bilingue em LIBRAS necessidade de currículos alternativos ou acessibildades, bastando-lhes o acesso a uma língua que lhes permita apreender o mundo e desenvolverem-se,Educação Bilingue no Brasil…

    Curtir

O que você acha? Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s