O perigo de uma única história

Qual é a cultura de um país? Qual é a representação que fazemos de pessoas e grupos diversos dos nossos? Como as diversas culturas  que compõe o complexo mosaico de um povo são representadas como uma única cultura, apagando a riqueza das diferenças?

A escritora Chimamanda Adichie tece uma bela reflexão, em forma de histórias pessoais, nos levando a refletir sobre o perigo dos estereótipos que são impostos pelas comunicações, e que constroem representações absolutas de povos e culturas.

Educação bilíngue é muito mais do que apenas aprender línguas. Cada língua tem um modo de “dizer o mundo”, como diria Paulo Freire. E ao conhecer outras línguas, estabelecemos contato com outras formas de pensar. Esse é o mais belo potencial da educação bilíngue: a ampliação da visão de mundo.

Mas isso só acontece se a educação bilíngue for bem pensada e planejada, enriquecida com muitas histórias e perspectivas. Senão apresentaremos, querendo ou não, apenas a superfície das culturas, estereotipando traços culturais como se fossem regras fixas e imutáveis, compartilhadas por todos e sem nenhuma divergência. Daí a importância fundamental do exercício crítico e reflexivo por pais e professores!

Selma Moura

Share:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

On Key

Related Posts

Adeus 2020, bem vindo 2021!

Uau, que ano tivemos! Não conheço nenhum educador que não tenha sentido que viveu mais desafios no ano que terminou do que em muitos anos