Letramento em uma escola de educação bilíngüe na fronteira Uruguai/Brasil

20/02/2010

Uncategorized


Gostaria de sugerir a leitura da dissertação de Mestrado de Letícia Bortolini, sobre uma escola bilíngue de fronteira. Veja abaixo o resumo e clique no título para ser redirecionado ao qrquivo em pdf. Boa leitura!

BORTOLINI, Letícia Soares. Letramento em uma escola de educação bilíngue na fronteira Uruguai/Brasil. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009

RESUMO:

Esta pesquisa tem como objetivo descrever as práticas de letramento realizadas pelos participantes de duas terceiras séries de uma escola de educação bilíngüe por imersão dual espanhol/português, localizada na cidade de Rivera (Uruguai) e levantar as atividades letradas em português e em espanhol realizadas por alunos e seus familiares fora do contexto escolar. A fundamentação teórica que subjaz à análise apresentada está baseada nos Novos Estudos sobre Letramentos (New Literacies Studies) (Heath, 1982; Street, 1984; Barton, 1994; Gee, 2004), os quais entendem letramento como um conjunto de práticas organizadas social e culturalmente (Cole & Scribner, 1981) que envolvem na sua constituição a tecnologia da escrita – ao que Street (1984) se refere como práticas de letramento. Como unidade de análise do letramento em sala de aula, uso o conceito de evento de letramento (Heath, 1982, 1983): atividade social em que a escrita é parte essencial na constituição da interação entre os participantes. A pesquisa foi realizada por meio de trabalho de campo de 27 dias que envolveu a geração de dados etnográficos na escola e na comunidade através de observação participante, gravação de entrevistas em áudio e registro fotográfico. Através da análise dos dados, pude constatar que os alunos da escola estudada são membros de um grupo social que está em contato com diferentes textos escritos e realiza diferentes atividades letradas em português e em espanhol cotidianamente. Os dados evidenciam que, dentro da sala de aula, os professores propõem variadas atividades de letramento sob uma perspectiva de monolingüismos paralelos, não havendo, em geral, a proposta de atividades de biletramento. Os materiais trazidos pelos alunos para a sala de aula e as atividades em grupos sem o controle do professor demonstraram ser, no entanto, gatilhos para a ocorrência de eventos de letramento bilíngüe. Este trabalho contribui para a descrição das práticas de letramento de uma escola de educação bilíngüe e propõe uma reflexão sobre como o (bi)letramento pode promover a inclusão de minorias sociais e lingüísticas, apontando para a importância de a escola conhecer as práticas sociais da comunidade para poder usá-las como possíveis recursos socioculturais em uma prática pedagógica inclusiva.

Anúncios

Siga-nos!

EBB nas redes sociais

um comentário em “Letramento em uma escola de educação bilíngüe na fronteira Uruguai/Brasil”

  1. Angela Mau Oberson Diz:

    Eu tenho uma pergunta, para que uma escola seja bilíngue quanto % das horas letivas tem que se dar na língua estrangeira? Obrigada

    Curtir

O que você acha? Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: