Letramento em uma escola de educação bilíngüe na fronteira Uruguai/Brasil

Gostaria de sugerir a leitura da dissertação de Mestrado de Letícia Bortolini, sobre uma escola bilíngue de fronteira. Veja abaixo o resumo e clique no título para ser redirecionado ao qrquivo em pdf. Boa leitura!

BORTOLINI, Letícia Soares. Letramento em uma escola de educação bilíngue na fronteira Uruguai/Brasil. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009

RESUMO:

Esta pesquisa tem como objetivo descrever as práticas de letramento realizadas pelos participantes de duas terceiras séries de uma escola de educação bilíngüe por imersão dual espanhol/português, localizada na cidade de Rivera (Uruguai) e levantar as atividades letradas em português e em espanhol realizadas por alunos e seus familiares fora do contexto escolar. A fundamentação teórica que subjaz à análise apresentada está baseada nos Novos Estudos sobre Letramentos (New Literacies Studies) (Heath, 1982; Street, 1984; Barton, 1994; Gee, 2004), os quais entendem letramento como um conjunto de práticas organizadas social e culturalmente (Cole & Scribner, 1981) que envolvem na sua constituição a tecnologia da escrita – ao que Street (1984) se refere como práticas de letramento. Como unidade de análise do letramento em sala de aula, uso o conceito de evento de letramento (Heath, 1982, 1983): atividade social em que a escrita é parte essencial na constituição da interação entre os participantes. A pesquisa foi realizada por meio de trabalho de campo de 27 dias que envolveu a geração de dados etnográficos na escola e na comunidade através de observação participante, gravação de entrevistas em áudio e registro fotográfico. Através da análise dos dados, pude constatar que os alunos da escola estudada são membros de um grupo social que está em contato com diferentes textos escritos e realiza diferentes atividades letradas em português e em espanhol cotidianamente. Os dados evidenciam que, dentro da sala de aula, os professores propõem variadas atividades de letramento sob uma perspectiva de monolingüismos paralelos, não havendo, em geral, a proposta de atividades de biletramento. Os materiais trazidos pelos alunos para a sala de aula e as atividades em grupos sem o controle do professor demonstraram ser, no entanto, gatilhos para a ocorrência de eventos de letramento bilíngüe. Este trabalho contribui para a descrição das práticas de letramento de uma escola de educação bilíngüe e propõe uma reflexão sobre como o (bi)letramento pode promover a inclusão de minorias sociais e lingüísticas, apontando para a importância de a escola conhecer as práticas sociais da comunidade para poder usá-las como possíveis recursos socioculturais em uma prática pedagógica inclusiva.

Share:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

One thought on “Letramento em uma escola de educação bilíngüe na fronteira Uruguai/Brasil

  1. Angela Mau Oberson says:

    Eu tenho uma pergunta, para que uma escola seja bilíngue quanto % das horas letivas tem que se dar na língua estrangeira? Obrigada

Deixe uma resposta

On Key

Related Posts

Adeus 2020, bem vindo 2021!

Uau, que ano tivemos! Não conheço nenhum educador que não tenha sentido que viveu mais desafios no ano que terminou do que em muitos anos